Sai nos dias de maior fluxo

sábado, junho 30, 2007

How dare you?!!

Todos os que me conhecem até ao meu âmago (li esta palavra hoje no dicionário e andava mortinho por encaixá-la num qualquer lugar – mission accomplished, o texto poderia acabar aqui e eu ficava feliz) reconhecem que sou um fã de metal e, muito particularmente, de electro-metal.
Só admito críticas a esta forma divinal de expressar sentimentos, através do som melodioso dos instrumentos, de verdadeiros apaixonados como eu, ou pelo menos de entendidos. Há beleza universal, e ainda que possamos não apreciar o estilo, todos reconhecemos no electro-metal a beleza nele contida.
Eu já andava desapontado com a falta de isenção e cultura geral da classe jornalística do nosso país, quando tropeço num verdadeiro desperdício do uso da língua portuguesa.
Aqui, o jornalista – como me custa atribuir-lhe este título profissional – Cristiano Pereira (agora com o Cristiano Ronaldo como ícone nacional todos querem ter o seu primeiro nome – seja original homem) desanca violentamente verdadeiros deuses do metal, como os Mastodon e os Blood Brothers, ou ainda mais grave, gritante e ignorantemente, como os Men-Eater, dos quais sou fã incondicional – Todos os meus colegas de redacção podem atestar isso aqui por mim.
Em suma, o editor desse jornaleco de rua com meia dúzia de leitores que é o Jornal de Notícias, deveria pensar duas vezes antes de mandar um amador cobrir um evento e grupos musicais de renome. Claramente, este auto-proclamado profissional da comunicação social se sentiria mais em casa a fazer reportagem de concertos da Floribela e dos D’zrt.

quarta-feira, junho 27, 2007

Damn you Summer

Odeio o Verão no Algarve.
Para mim significa enchentes de portugueses manientos, que acham que todos nasceram para os servir, e decotes interditos aos olhos, como os de directoras da empresa onde trabalho.

terça-feira, junho 26, 2007

Técnicas infalíveis de quebrar o gelo numa entrevista

É um facto que participo nas entrevistas e tenho uma parte determinante na selecção de candidatos, mas também é verdade que não tenho formação em selecção e recrutamento de pessoal.
Por outro lado o meu colega de entrevistas, membro da equipa dos Recursos Humanos, teve treino específico nessa área, o que complementa em muito este meu handicap.
Estando prestes a entrar numa sala de reuniões onde iríamos entrevistar mais uma candidata, reparámos que esta estava ocupada com um dos administradores e uma convidada. Este, apercebendo-se da situação, deu-nos prioridade e abandonou a sala.
Sentámo-nos todos e, na altura complicada de quebrarmos o impasse e iniciarmos a entrevista, o especialista que se encontrava ao meu lado (e que entretanto se tinha sentado na cadeira anteriormente ocupada pelo administrador), com um sorriso cúmplice, utiliza a seguinte frase, por certo parte de uma técnica para que os presentes se sentissem mais descontraídos: - O Sr. Arlindo (nome ficcionado do administrador) tem o rabo quente.
A rapariga faz um sorriso de vesga e eu congratulei-me, bastante mais aliviado, por ter um profissional a trabalhar ao meu lado.

segunda-feira, junho 25, 2007

Vox Pop


Qual é a sua opinião sobre a cor do novo equipamento do Benfica?


Nuno Gomes, matador, 30 anos
Adorei. Está o máximo. Até já comprei uma bandolete a condizer.


Barbas, bom chefe de família, 66 anos
Acho que é uma pouca-vergonha brincar desta forma com a instituição Benfica. A cor das camisolas do glorioso sempre foi vermelha como o vinho tinto, ou como o sangue que espirra da boca da minha querida esposa sempre que o Benfica perde!


Joe Berardo, comendador que sofre de tourette, 61 anos
Fui eu que aconselhei a nova cor, assim a camisola fica a combinar com as merdas que tenho do Warhol. Fuck!


Luciana Abreu, pobre em oiro mas rica em seios, 22 anos
Já não bastava as audiências da segunda série não serem hiper-mega-ri-fixes e agora acontece isto... Se o Benfica lança mais um equipamento com corações e estrelinhas mais ninguém compra o merchandising da Floribella.


Zé Naifas, meliante ex-membro dos diabos vermelhos, 26 anos
No antigamente tinha medo de admitir que gosto de abafar palhinhas. Mas prontos, é naquela, se até o glorioso resolveu sair do armário, por que não fazer a mesma cena? Estou a pensar formar uma nova claque com uns tipos quaisqueres que conheci no Parque Eduardo Sétimo: os demónios rosinhas.

A responsabilidade de uma decisão bem fundamentada

Hoje entrevistei uma candidata a uma posição na empresa onde trabalho.
Falhou em alguns dos requisitos técnicos para o cargo a que se candidata. Por outro lado preenche todos os requisitos físicos e de profunidade de decote.
Estou indeciso...

sábado, junho 23, 2007

Ixodídeos e Argasídeos (parte II)

É tão idílica a imagem de um casal apaixonado, deitado placidamente no meio de um qualquer prado verdejante, na Primavera ou no Verão.
Rebolam-se, riem-se, enfim… são felizes.
Hoje caminhei no meio da vegetação e aguardei, de pé, 5 minutos parado no mesmo lugar. Quando dei por mim tinha cerca de 9 carraças a tentar trepar pelas minhas pernas acima, tendo descoberto mais uma na parte de dentro das minhas calças, quando, mais tarde e já em casa, inspeccionava cada centímetro do meu corpo à procura de alguma que pudesse estar escondida.
Já me apercebi que sou um homem quente, muito apreciado por estes pequenos aracnídeos. Mas não posso deixar de me questionar sobre o que acontecerá à magia do momento desse mesmo casal de namorados quando, mais tarde, partilharem um momento mais íntimo e muito especial.
- Não pares querido… não agora!
- Querida, espera lá um bocadinho! Uma coisa é ficar com um ou dois cabelos na boca, agora anda para aqui uma coisa a passear em baixo que tem patas e movimento a mais para o meu gosto.

Ixodídeos e Argasídeos (parte I)

Sair para o campo com Biólogos é tão giro. Eles são tão interessantes. Aprende-se tanto com os Biólogos!
Eu, por exemplo, fui hoje para o campo com duas Biólogas e aprendi que sou um homem com a temperatura ideal.
Confesso que gostava de terminar a frase por aqui, mas a minha temperatura (aparentemente muito atraente) causa atracção a um grupo muito particular - o das carraças.
Enquanto que ambas se tiveram que preocupar com uma ou duas, eu tentava afastar cerca de 10 do meu vestuário e corpo. E não estive nem de perto nem de longe tão embrenhado nas silvas e mato como elas.
É tão giro aprender com os Biólogos...

quarta-feira, junho 20, 2007

The cleavage, always the cleavage...

Olhar uma vez para um cleavage feminino é como fazer uma qualquer piada num local de riso interdito, estilo uma igreja.
Assim que os olhos lá pousam pela primeira vez está tudo perdido. É bonito? Sim, pode ser (e também pode não ser nada de especial), mas não é essa a razão. É simplesmente porque não podemos, porque é proibido.
Peço ajuda às leitoras deste blog (se as houver) para que nos expliquem por que raio nos fazem passar pelo tormento de estarmos à frente de um decote que evidencie todo esse cleavage, sem que para lá possamos olhar.
Hoje dei graças aos céus por, num almoço de trabalho, estar do mesmo lado da mesa do alvo da minha cobiça viciante e dois lugares afastado.

Filho de uma Ptakovic

«Mrdakovic vem para superar Nuno Gomes»

Quando vi o título pensei: lá vem mais um coxo para o Benfica. Mas afinal não, este vai para o Vitória de Guimarães e segundo o seu presidente é para ser melhor que o Nuno Gomes. Confesso que por momentos fiquei um pouco confuso: por que raio o presidente do Vitória se lembrou do Nuno Gomes? Mas depois olhei bem para o nome do jogador em questão. Merda Kovic. Aposto que é assim que se escreve Nuno Gomes em sérvio.

terça-feira, junho 19, 2007

Que belo país à beira-mar plantado

Gosto tanto de Portugal!
Gosto tanto do portuguesinho mesquinho, de vistas curtas e sem um pingo de noção de civismo colectivo.
É tão bom viver num país em que a corrupção, os endemismos e o nepotismo são encarados com naturalidade e até encorajados.
Não fosse esta fotodependência crónica de que padeço, já teria fugido para um país qualquer do Norte da Europa.

Ó Belmiro, vê lá isso

À saída do Modelo, vejo um casal a sair de um carro estacionado num lugar para deficientes. Não podes estacionar aqui - grita-lhe ela. Não me chateies, os deficientes não vêm ao Modelo - responde ele também aos berros. Penso sobre o assunto enquanto percorro o resto do caminho até ao meu carro. Realmente não sei qual é o hipermercado preferido dos deficientes, mas os imbecis pelos vistos gostam do Modelo.

Burrié

Há pouco fiquei com o dedo indicador da mão direita dormente. Agora tenho a sensação que está outra pessoa a tirar-me macacos do nariz.

segunda-feira, junho 18, 2007

O peso de se ser uma divindade ao serviço do público

Os deuses existem!
Não apenas um, nem dois, mas todos os que os diferentes credos defendem existir. É um facto inatacável, como todas as verdades que profiro aqui neste periódico, de grande tiragem e qualidade comprovada.
Buda, Allah, Deus (o dos católicos, o dos Judeus e os de todos os outros que tiveram falta de imaginação no nome), Shiva (e restantes deuses hindu) são apenas alguns dos intervenientes. Mas qualquer teólogo, com um pouco de investigação e paciência, os enumeraria a todos para vosso deleite. Felizmente nem sou um, nem tenho tal paciência ou motivação.
Mas para além de todos eles, de uma forma ou de outra serem castradores (já ouviram falar de alguma religião sem imposições? Atenção que a anarquia não é catalogada como religião) e exigirem dispêndios económicos aos seus fiéis, a verdade é que têm um outro denominador comum. Todos são funcionários públicos. O seu objectivo não é estarem à disposição daqueles que neles crêem e deles necessitam? Que melhor definição encontram vocês para o funcionarismo público?
E como tal têm toda uma panóplia de características associadas a esse mesmo título.
Nunca se questionaram, “como é que Deus permitiu que uma coisa daquelas acontecesse?” A resposta é simples: aconteceu das 09:00 às 17:00 do país em questão?; a maioria dos fiéis desse país pertence a que credo (não podemos ignorar a questão da jurisdição, e a verdade é que, como em todos os departamentos públicos, entre deuses existe muita burocracia, e algum boicote inter-religiões que nem sempre permite que se evitem catástrofes naturais em tempo útil)?; aconteceu durante um feriado (mesmo sendo este em honra ao deus da tutela)?; aconteceu num país mono ou politeísta (como todas as democracias, também os deuses de regimes politeístas têm conselhos divinos que se prolongam por horas ou mesmo dias, sem que dali saia alguma decisão)?; aconteceu num dia de greve pelos direitos divinos, marcado para uma quinta-feira e antes de um feriado religioso à sexta-feira?
Se falarmos em preces então quase que não é necessário explicar. Esta foi feita de acordo com os procedimentos definidos para o efeito? A posição do corpo estava dentro dos padrões correctos (joelhos, mãos, inclinação da cabeça com o número de graus exigidos)? A entoação da voz seria a mais adequada, dentro dos limites do timbre ideal? Cumpriu os pré-requisitos necessários (válidos para certas religiões, como a católica com a confissão, ou o dízimo como a IURD ou a Maná)?
De repente não se fez luz na sua mente? Não ficou tudo claro? Os anos de aparente inactividade divina não passaram afinal de alguma incompreensão da nossa parte sobre o que é a terrível dificuldade que advém de se ser uma divindade pública, com todos os seus direitos auto adquiridos a serem constantemente ameaçados pelos renovadores de certas igrejas.
Olhai agora com outros olhos para os vossos deuses, para os quais peço a vossa maior compreensão. Afinal, não passam de divindades, com todo o peso que o cargo acarreta.

Vegetarianismo II

Para comida vegetariana que talheres se usam, os de carne ou os de peixe?

Vegetarianismo

Ontem comi uma vegetariana, sabia a galinha.

Is there anybody out there?

Estes últimos dias não tenho vivido muito. Ou meses... Apenas o indispensável.

segunda-feira, junho 11, 2007

Cher Ami



Cher Ami. Por tudo o que foste e sempre serás para toda a humanidade, aqui fica o nosso tributo.

Estaremos sempre contigo.

domingo, junho 10, 2007

Viva Portugal!

Hoje é dia de Portugal! Oficialmente, Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas.
Bom, o feriado de hoje ainda sei porque o é. A maioria deles, em particular os religiosos, nem faço ideia porque existem.
Acabar com eles? Hell no! Bater-me-ei com os católicos portugueses pelo direito a gozar um feriado cuja razão da sua existência desconheço, com o qual nada quero ter a ver, mas que me vai permitir evitar mais um dia de trabalho. Ai dos fascistas que tentem tirar aos portugueses o direito a celebrarem a sua religião, mesmo que nem saibam que estes dias especiais e sagrados existam.
Os feriados foram criados para que as pessoas se pudessem dedicar a festejar a razão da sua existência. No dia 7 de Junho não trabalhei. Era dia de Corpo de Deus, descobri há pouco numa lista da Universidade Católica. Como é que se festeja esse dia? Eu sei como o festejei e nada teve a ver com religião.
O dia de hoje sim, festejei-o de uma forma que honra o português. Dormi até tarde, vi televisão e continuarei a celebrar o ser-se português numa toda panóplia de inutilidades que me saberão muito bem.
A todos vós, Viva Portugal! Celebrem este dia! Bebam uma fresquinha (nacional) com caracóis, numa qualquer esplanada e fujam de toda e qualquer televisão, onde Cavaco Silva apareça adistribuir medalhas como quem dá rebuçados, sonhando acordado com o momento em que poderá recolher-se para junto da sua Maria e desfrutar em segredo de todo o Bolo-rei que lhe apeteça.



Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!